Sertanejo biodigestor: a social technology, an alternative source of energy

Main Article Content

Reginaldo Alves de Souza
Marília Regina Costa Castro Lyra
Renata Maria Caminha M. de O. Carvalho
José Coelho de Araújo Filho

Abstract

The use of biogas as an alternative to using liquefied petroleum gas (LPG) for cooking food in the context of family farming is something recent and has ample room for growth. The aim of this study was to evaluate the use of the Sertanejo biodigester by farming families as a social technology for cooking gas production, as well as an alternative energy source. It also aimed to identify elements which contribute to disseminating this technology as an alternative to the use of firewood, charcoal and LPG. Quali-quantitative approaches were used following the exploratory method, with interviews and non-probabilistic sampling. A population with 132 units of biodigesters in the Agreste mesoregion of the State of Pernambuco was considered, with 83 interviews being collected. The results indicated that the Sertanejo biodigester social technology provides an increase in the income of farming families, avoids the use of firewood and charcoal for cooking food and produces biofertilizer for crops. They also showed that its non-continuous use or deactivation is related to a lack of raw material and the need for maintenance. Given this scenario, its implementation must consider the availability of a raw material source in the production unit and the potential for biogas production from the existing herd and consumption demand. It is recommended to strengthen arguments of economic and environmental impact for low-income families to disseminate this technology; to encourage the use of biogas associated with other activities in the production system; and to incorporate biodigestor social technology in rural credit financing lines.

Article Details

How to Cite
de Souza, R., Lyra, M., Carvalho, R., & Araújo Filho, J. (2021). Sertanejo biodigestor: a social technology, an alternative source of energy. Brazilian Journal of Environmental Sciences (Online), 56(4), 630-642. https://doi.org/10.5327/Z21769478987
Section
Articles

References

Articulação no Semiárido – ASA. 2019. Dados Gerais (Acessed July 7, 2021)
at: https://www.asabrasil.org.br/mapatecnologias/.
Articulação no Semiárido – ASA. 2021. Modelo da tecnologia social de
acesso à água nº 1. Cisterna de placas de 16 mil litros. Anexo da Instrução
Operacional SESAN nº 2, de 8 de agosto de 2017. Programa Cisternas. Recife.
Barros, G.C.; Farias Júnior, M.; Santos, M.N.F.; Nascimento, F.C.; Pascoal, C.D.;
Duarte, M.D.S., 2020. Biogás e agricultura familiar no nordeste brasileiro:
a experiência da ONG CETRA apoiada pela cooperação internacional no
semiárido cearense. Revista RedBioLAC, v. 4, 39-43.
Brasil. 2010. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
(MDS). Avaliação da sustentabilidade do programa cisternas em parceria
com a articulação no semiárido brasileiro (ASA). Cadernos de Estudos
Desenvolvimento Social em Debate, (13). Ministério do Desenvolvimento
Social e Combate à Fome, Brasília, 240 pp.
Dagnino, R.; Brandão, F.C.; Novaes, H.T., 2004. Sobre o marco analíticoconceitual
da tecnologia social. In: Tecnologia social: uma estratégia para o
desenvolvimento. Fundação Banco do Brasil, Rio de Janeiro.
DIACONIA. s.d. 12 passos para construir um biodigestor. DIACONIA,
Recife.
DIACONIA. 2016. Reaplicando o biodigestor a partir da mobilização social.
DIACONIA, Recife.
DIACONIA. 2020. Entrevista de Ita Porto e Jucier Jorge concedida a: SOUZA,
R. A. In: Souza, R.A. Uso do biodigestor como tecnologia social para produção
de gás de cozinha. DIACONIA, Recife.
Empresa de Pesquisa Energética (EPE). 2019. Matriz energética e elétrica.
EPE, Rio de Janeiro (Acessed April 9, 2020), at: http://www.epe.gov.br/pt/
abcdenergia/matriz-energetica-e-eletrica.
Fundação Banco do Brasil (FBB). 2018. Caminhos e perspectivas para
a tecnologia social. Fundação Banco do Brasil, Instituto de Tecnologia
Social, Brasília.
Gerhardt, T.E.; Silveira, D.T., 2009. Métodos de pesquisa. Editora da UFRGS,
Porto Alegre.
Gualdani, C.; Burgos, A., 2020. Mapeamento de fontes institucionais sobre
tecnologias sociais na caatinga. Relatório técnico. Projeto Rural Sustentável
Caatinga (PRS Caatinga). Fundação Brasileira para o Desenvolvimento
Sustentável (FBDS), Rio de Janeiro.
Guimarães, P.R., 2008. Métodos quantitativos estatísticos. IESDE Brasil, Curitiba.
Herrero, J.M.; Donoso, M.P.; Mendoza, L.G.; Pedraza, G.X.; Jiménez, L.R.;
Arias, J.V., 2016. Oportunidades para el desarrollo de un sector sostenible de
biodigestores de pequeña y mediana escala en LAC. RedBioLac.
Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC). 2021. Climate change
2021. The Physical Science Basis. Summary for Policymakers. IPCC AR6
WGI. WMO, UNEP.
Jiménez, F.M.; Zambrano, D.A, 2018. Consumo de biogás en hogares rurales y
sus implicaciones económicas y ambientales. Caso El Porvenir, Limón. Revista
RedBioLAC, v. 2, 54-58.
Knopki, R.H., 2015. Segurança e prevenção de riscos na produção de biogás.
Probiogás. Ministério das Cidades, Brasília, 35 pp.
Martins, S.; Schlindwein, S.; D’Agostini, L.; Bonatti, M.; Vasconcelos, A.;
Hoffmann, A.; Fantini, A., 2010. Mudanças climáticas e vulnerabilidade na
agricultura: desafios para desenvolvimento de estratégias de mitigação e
adaptação. Brazilian Journal of Environmental Sciences (Online), (17), 17-27.
(Accessed July, 2021) at: http://rbciamb.com.br/index.php/Publicacoes_
RBCIAMB/article/view/376.
Mattos, L.C., 2017. Um tempo entre secas: superação de calamidades sociais
provocadas pela seca através das ações em defesa da convivência com o
semiárido. Doctoral Thesis, CPDA, Universidade Federal Rural do Rio de
Janeiro, Seropédica.
Mattos, L.C.; Júnior, M.F., 2011. Manual do biodigestor sertanejo. Projeto Dom
Helder Câmara, Recife, 55 pp.
Meunier, I.M.J.; Silva, J.A.A.; Ferreira, R.L.C., 2001. Inventário florestal,
programas de estudo. Departamento de Ciência Florestal, Universidade
Federal Rural de Pernambuco, Recife.
Nicoloso, R.S.; Barros, E.C.; Wuaden, C.R.; Pigoso, A., 2019. Uso do digestato
como fertilizante. In: Kunz A.; Steinmetz, R.L.R.; Amaral, A.C. (Eds.).
Fundamentos da digestão anaeróbia, purificação do biogás, uso e tratamento
do digestato. Sbera: Embrapa Suínos e Aves, Concórdia, 209 pp.
Nobre, C.A.; Salazar, L.F.; Oyama, M.; Cardoso, M.; Sampaio, G.; Lapola, D.,
2007. Relatório nº 6: mudanças climáticas e possíveis alterações nos biomas da
América do Sul. CPTEC/INPE, IAE/CTA, São Paulo.
Quadros, D.G., 2009. Biodigestor na agricultura familiar do semiárido.
EDUNEB, Salvador, 96 pp.
Rodrigues, I.; Barbieri, J.C., 2008. A emergência da tecnologia social:
revisitando o movimento da tecnologia apropriada como estratégia de
desenvolvimento sustentável. Revista de Administração Pública, v. 42, (6),
1069-1094. https://doi.org/10.1590/S0034-76122008000600003.
Silva, J.E.; Correia, L.A., 2020. Biodigestor sertanejo como alternativa
para a conservação do semiarido potiguar. Holos, v. 6, e10125. https://doi.
org/10.15628/holos.2020.10125.
Specht, M.J.S., 2012. Uso de lenha como combustível doméstico: padrões,
impactos e perspectivas futuras para conservação da floresta atlântica
ao norte do rio são Francisco. Master’s Dissertation. Pós-Graduação em
Biologia Vegetal, Centro de Ciências Biológicas, Universidade Federal de
Pernambuco, Recife.
Ventura, A.C.; Garcia, L.F.; Andrade, J.C.S., 2012. Tecnologias sociais: as
organizações não governamentais no enfrentamento das mudanças climáticas
e na promoção de desenvolvimento humano. Cadernos EBAPE.BR, v. 10, (3),
605-629. https://doi.org/10.1590/S1679-39512012000300009.