Uso do sensoriamento remoto na estimativa dos efeitos de ilhas de calor

Main Article Content

Rafael Coll Delgado
Rafael de Ávila Rodrigues
André Luis Lopes de Faria
Clênia de Souza Pêssoa
Mayara Daher

Resumo

Os objetivos principais do presente trabalho foram: 1) estimar a temperatura da superfície continental, 2) os índices de vegetação e albedo da superfície e posteriormente 3) comparar a evolução espaço-temporal destas imagens com a climatologia local do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) em Rio Branco, AC. As técnicas de sensoriamento remoto (SR), permitiram uma análise temporal de uso e ocupação do solo, especialmente com vistas a identificar e monitorar as alterações na paisagem. Com base no cálculo do viés médio (VM), o presente estudo mostrou que, em áreas densamente verdes, onde a falta de estações meteorológicas ocorrem, o algoritmo que estimou a temperatura da superfície, pode ser utilizado para o preenchimento de falhas, já que os valores foram ligeiramente subestimados, com valor deste indicador de -0,32ºC para o ano de 1994. Foi verificado também uma superestimativa dos resultados, com valor de viés médio de 0,31ºC para o ano de 1996. Os resultados mostraram um acréscimo de temperatura de faxia média de 1,12ºC de 1990 a 2010. O albedo da superfície aumentou significativamente em Rio Branco, principalmente onde ocorreram as maiores porcentagens da classe “área urbana”. Verificou-se que os valores médios do NDVI, SAVI e IAF apresentaram maiores oscilações, principalmente nos anos de maiores aumento das áreas antropizadas (2005, 2009 e 2010). Os resultados obtidos, ainda que em caráter preliminar, indicam a eficiência do SR por meio da análise da banda termal do satélite Landsat-5 como ferramenta de análise na identificação de ilhas de calor urbanas, mostrando-se eficaz quanto à espacialização dessas anomalias espacial e temporalmente.

Article Details

Como Citar
Delgado, R., Rodrigues, R., Faria, A., Pêssoa, C., & Daher, M. (2012). Uso do sensoriamento remoto na estimativa dos efeitos de ilhas de calor. Revista Brasileira De Ciências Ambientais (Online), (25), 69-80. Recuperado de http://rbciamb.com.br/index.php/Publicacoes_RBCIAMB/article/view/318
Seção
Artigos